Abduzeedo

Arquitetura e o ser humano

O blog abduzeedo,  aborda vários aspectos da arte, porém no nosso enfoque de arquitetura é especialmente desfalcado e superficial. Não apresenta grande variedade de projetos e raramente mostra algum desenho técnico ou comentários de análise, o que causou algumas dificuldades enquanto procurávamos uma linha de abordagem, pois a maioria dos ‘posts’ são apenas sobre ‘belas casas’.

Foi então que surgiu a idéia de escrever sobre a maior importância dessa arte, que é sua relação com o ser humano e como uma construção não pensada afeta em nosso bem-estar.

Para exemplificar nossa linha de raciocínio, selecionamos alguns projetos que mostrarão essa relação, tanto positiva, quanta negativa.

The Red Town Office by Taranta Creations

Localizado em Shagai, na China, esse escritório transforma o espaço e convida os usuários à explorá-lo em seus diversos usos; encontrar outros, projetar, criar, caminhar e admirar.

Com um design moderno e futurístico, o escritório possui uma escada vermelha, envolta por uma película, que demarca a diferença entre as atividades dos andares entre si.

Com isso, vemos que a arquitetura não tem limitações de criação mesmo em um espaço pequeno como esse, e que um projeto que aborda bem seus usuários, muda completamente a relação dessa pessoa com esse ambiente, e pode-se dizer então, que esse local passa a estimular muito mais a criação e faz com que as pessoas se sintam muito melhor por seus formatos e cores.

http://abduzeedo.com/red-town-office-taranta-creations

Amazing Dalian Child School in China

Uma escola de crianças, feita para crianças.

Com um cuidado estético tanto quanto sua preocupação com a funcionalidade, esse projeto, feito por Debbas architecture, tem como base os módulos ovais, que rotacionam entre si procurando uma melhor orientação solar.

 


A escola tem espaços como salas de aula, salas de dormir, banheiros com chuveiros, cozinha e área de jantar, sala de música e ballet, área para leitura e playground.

Vale observar que cada detalhe foi pensado para as crianças. Os desenhos e enfeites estão na altura delas, os ambientes internos são contínuos e sem quinas, nem móveis que possam causar acidentes.

‘Nosso conceito era criar um ambiente fluido e espiritual, distante do mecanizado, rígido e prosaico design. Nós queremos usar a arquitetura para incentivar o senso de questionamento das crianças e gerar uma memória única, sem recorrer ao design teatral e a detalhes nostálgicos.’ Debbas architecture.

http://abduzeedo.com/amazing-dalian-child-school-china

Google EMEA Engineering Hub, in Zürich

Escritório da Google, um projeto já muito falado, porém ainda não muito seguido. Ainda não? Já foi comprovado cientificamente que bem- estar aumenta produtividade no trabalho e qualidade de vida. Qual a razão então por seu modelo ainda não ter sido seguido?

Esse inspirador e contemporâneo espaço, teve por trás das idéias principais, os arquitetos do Camenzind Evolution, com a ajuda de um grupo do time da Google que foi selecionado para representar o todo e passar alguns pontos de vista. Após essa pesquisa prévia, decidiram reduzir o espaço de trabalho deles para ganhar espaço para diversão e relaxamento focado nas áreas comuns.

A diversidade dos espaços provém do arranjo emocional e visual de diferentes experiências consecutivas que se passa nesse espaço. A variedade de cores, texturas, materiais, atividades, conexões entre os ambientes e outros detalhes únicos fazem desse escritório o lugar que qualquer um gostaria de trabalhar.

O prédio funciona como uma cidade, com suas articulações de diferentes ambientes, que dividem-se em espaços para jogar, dormir, relaxar, trabalhar, comer…

http://abduzeedo.com/google-emea-engineering-hub-z%C3%BCrich

The Rao Residence in Hyderabad, India

A residência Rao é um projeto do DDIR Architecture Studio, que tem a visão de integrar arquitetura e design com arte (natureza), tecnologia (estrutura), vida (luz) e cultura (espírito).

Essa casa foi projetada para oferecer um espaço ‘clean’ e zen, ligado à filosofia, criando conexões onde escadas, corredores, jardins e paredes, trabalham juntos, com boas vibrações e iluminação natural ao redor da casa.

 


 

Depois de analisar as fotos, não nos parece que o conceito do escritório foi de fato colocado nesse projeto. Os jardins que se resumem em mínimas jardineiras não dão a vida que a casa necessita, assim como a ausência de cores.

 

Vida, luz, natureza e tecnologia não estão de fato juntas nesse projeto, ainda mais depois de visualizar idéias como o escritório da Google, onde cores e espaços diversos tomam conta da idéia.

 

Com isso, temos aqui um contra-ponto de tudo que discutimos até agora, onde a arquitetura vem servir o ser humano e aumentar sua qualidade de vida. Não temos cores, plantas, nem espaços diversificados. Temos um branco único, móveis com quinas e uma arquitetura morta, na qual pouquíssimas pessoas se sentiriam bem vivendo nessa casa.

 

 


http://abduzeedo.com/beautiful-houses-rao-residence-hyderabad-india

Villa Renovation, Lausanne, Switzerland

 

Graeme Mann, britânico de origem escocesa e Patrícia Cápua Mann, suíça e de origem italiana.

 

Esse projeto possui apenas duas imagens nesse site e não aparece mais em nenhum outro…qual será a razão?

 

O motivo de o termos escolhido foi puramente por curiosidade de provocar opiniões diversas. Os países europeus tem ganhado destaque com seus belos e/ou corretos projetos, porém quisemos mostrar que sempre existe alguma exceção…

 

 


http://abduzeedo.com/architect-day-graemen-mann-patricia-capua-mann

CICLOVIVO

Escola na França funcionará com energia sola

A fim de responder à crescente preocupação com a sustentabilidade da arquitetura, designers têm criado vários complexos 'verdes'. (Imagem:Divulgação)

 

Conservação e preservação dos recursos naturais e do meio ambiente é uma lição que não só adultos, mas também crianças precisam aprender rápido.

A fim de responder à crescente preocupação com a sustentabilidade da arquitetura, designers têm criado vários complexos “verdes” residenciais e comerciais e agora estão unindo esforços para projetar salas de aula e escolas “amigas do meio ambiente”, que podem ajudar a ensinar aos alunos algumas lições sobre sustentabilidade.

(Imagem:Divulgação)

 

Com esta meta surgiu a escola Docks. A escola foi projetada pelo Mikou Design Studio em uma competição onde tinham o desafio de criar uma escola e um complexo esportivo com gasto zero de energia. Docks está em uma localização estratégica urbana, no meiodo Zac des Docks, uma área de desenvolvimento mista composta principalmente de arranha-céus de escritórios e habitação, em Saint Ouen, na França.

Para que o desenvolvimento sustentável fosse visível, os designers criaram um teto alimentado por painéis solares, que fornece um espaço em degraus para vários departamentos. O telhado é o elemento fundamental do projeto.

A construção tem a face voltada para o sul, facilitando a orientação de todas as salas de aula e playgrounds, a fim de fazer o maior uso possível da energia solar passiva. Esta disposição espacial também permite aumentar as áreas de superfície necessárias para os painéis fotovoltaicos integrados à arquitetura.

 (Imagem:Divulgação)
(Imagem:Divulgação)
(Imagem:Divulgação)

Os playgrounds da creche e da escola primária são protegidos por toldos carregados com painéis fotovoltaicos, inclinados a um ângulo de 30 graus para a exposição solar máxima. Estes painéis são espaçados por tiras de metal sólido para evitar sombras.

Essas áreas de playground cobertas são concebidas com uma grande cobertura azulada semi-transparente, descendente em camadas do terceiro para o primeiro nível criando um visual dinâmico quando visto da rua oferecendo à escola uma forte identidade educacional.

A construção é esperada para 2012.

 

(Imagem:Divulgação)

 

(Imagem:Divulgação)

 

Hotel nos Alpes Italianos utiliza telhados verdes para se misturar a paisagem

 

 

 

O arquiteto Matteo Thun projetou um eco hotel que ficará situado no Parque Nacional de Stelvino, nos Alpes Italianos. O hotel é composto por uma série de construções subterrâneas, unidas por uma superfície ondulada de telhados verde. Além disso o hotel utiliza-se dos princípios do design passivo e de bombas de troca de calor com o solo para economizar energia.

Além disso, o método de construção dos apartamentos, o modo que eles foram implantados no terreno e os materiais empregados foram todos escolhidos para minimizar o impacto do complexo no meio ambiente.

O hotel terá 11 apartamentos individuais com as janelas voltadas para face sul (correspondente a face norte no Brasil). Os apartamentos serão construídos e depois cobertos por uma imensa cobertura verde, que manterá a temperatura agradável durante o ano todo.

A inclinação da cobertura cria uma área coberta que serve de proteção para o calor excessivo do verão e o uso da terra nos telhados verdes ajuda a diminuir a poluição sonora.

As janelas são todas em três camadas de vidro, o que ajuda a aumentar a eficiência energética e o controle acústico. As bombas de troca de calor com o solo se aproveitam de uma nascente de água subterrânea, com temperatura constante, para obter um aquecimento ou resfriamento eficiente durante o inverno e o verão.

O hotel terá uma série de benefícios ‘verdes’. O arquiteto descreve o Klima Hotel como sustentável pois se baseia nos três pilares: econômico, sócio-cultural e ambiental.

Corte do projeto

 

Corte de um apartamento

 

Estudo de insolação e acústica

 

 

Arquitetos apostam em ideia sustentável para revitalizar praça espanhola

 

Metropol Parasol (Imagem:Divulgação)

 

O projeto arquitetônico de revitalização da Plaza de la Encarnación, na Espanha, recebeu uma novidade sustentável. A ideia surgiu de um escritório alemão e consiste em uma estrutura gigante, considerada uma das maiores do mundo, toda feita em madeira.

O escritório de arquitetura Jürgen Mayer H. Architects, um dos líderes da Alemanha, foi o campeão de um concurso realizado em 2004 para a revitalização da Plaza de la Encarnación, em Sevilha, Espanha.O projeto denominado “Metropol Parasol” (MP) cobre uma área de 150m x 70m.

A prioridade para os arquitetos foram as questões da forma e espaço, com materiais reutilizados. O revestimento de poliuretano protege a madeira e lhe permite respirar – uma espécie de ar condicionado natural – e a própria madeira quando queima não emite fumaças tóxicas. Para ser usada no projeto, a madeira precisava ter sido plantada de maneira sustentável, com um certificado PEFC (Programa para o Reconhecimento dos Esquemas de Certificação Florestal), concedido pelo Finnish Forest Council of Certification. O revestimento do parasol se auto-limpa necessitando de pintura a cada 20 a 25 anos.

 

Metropol Parasol (Imagem:Divulgação)

 

Metropol Parasol (Imagem:Divulgação)

Metropol Parasol (Imagem:Divulgação)

Metropol Parasol (Imagem:Divulgação)

O MP é o novo projeto ícone, um lugar de identificação e de articulação do papel de Sevilha como um dos mais fascinantes destinos culturais da Espanha. O projeto explora o potencial da Plaza de la Encarnación de se tornar o novo centro urbano contemporâneo. Seu papel como um espaço urbano dentro do tecido denso do centro medieval da cidade, permite uma grande variedade de atividades como lazer, contemplação e comércio. Uma infraestrutura altamente desenvolvida ajuda a ativar a praça, tornando-se um destino atraente para turistas e locais.

Toda a estrutura é feita em madeira clara, coberta por uma fina camada de poliuretano. Inicialmente, o terreno seria transformado em um estacionamento, mas após descobertas arqueológicas no local, a prefeitura de Sevilha decidiu transformá-lo em um centro cultural. O edifício, que se parece com grandes cogumelos, abrigará um museu, um sítio arqueológico, uma praça elevada, bares e restaurantes, um mercado de agricultores e um terraço panorâmico no topo da estrutura. As colunas tornam-se pontos importantes de acesso ao museu abaixo, bem como para a praça e deck acima, definindo uma relação única entre o histórico e a cidade contemporânea.

O edifício é formado por peças de madeira encaixadas umas nas outras. As peças deixam um espaço livre para a passagem do sol. Além disso, as cores neutras da estrutura contrastam com as cores fortes das construções da região.

Metropol Parasol (Imagem:Divulgação)

Metropol Parasol (Imagem:Divulgação)

 

A arquitetura proposta não vai apenas criar um novo lugar de identificação para as pessoas de Sevilha, mas também articular a função da cidade como um dos destinos mais fascinantes da Espanha.

O projeto foi concebido como uma estrutura de telhado que dá sombra durante o dia, criando um microclima confortável e um lugar para relaxar. O espaço permite uma série de atividades urbanas, tais como esportes (vôlei de praia, basquete de rua, boxe etc), eventos culturais (cinema, teatro e concertos) e até mesmo usos comerciais (eventos de moda, eventos corporativos, apresentações), que enfatizam o papel da Praça como um dos principais lugares da cidade para comunicação e interação.

O papel do mercado neste conceito é que reativa a vida do dia a dia. Servindo o bairro e agregando qualidade significativa para a vida diária dos habitantes da área. A infraestrutura é acessível para as pessoas de diferentes partes da cidade e ao mesmo tempo reforçará sua importância para o ambiente urbano.

Com a proposta MP, a Praça torna-se um protótipo de um novo espaço urbano que combina a vida cotidiana com novas tecnologias e novos programas. Abrangendo todo o corredor de ônibus, a estrutura ainda enfatiza a continuidade espacial da praça, um conceito que é ainda mais realçado pelo uso de mosaicos homogêneos distintos em todo o local.

ARCHDAILY

Clube de Vela Puerto de Andratx,Mallorca,  Spain,2006- 2008| SCT Studio

Arquitectura Situado numa localização privilegiada, o edifício foi criado com uma vontade de integrá-lo ao ambiente. Formado por um volume geometricamente simples, a construção estabelece um diálogo entre o interior eo exterior do edifício. O edifício é constituído principalmente formado por uma pele de pedra branca que contém os módulos de acesso, administração, restaurante e cafetaria com suas áreas de serviço correspondente, Conceitualmente falando dos pisos foram modulados com um 1 × secção m 1, que se manifesta na padrão do piso de pedra, em ambas as zonas exteriores e interiores. A parte sul do edifício é protegida visualmente, o volume anterior, o que permite a total transparência da pele desta região, formada por grandes painéis de vidro, criando assim uma relação visual directa com os barcos e do mar.

Bar Casa Cor, Belo Horizonte, MG, Brasil,2010 | BCMF Arquitetos De acordo com os profissionais, a opção pelo material ( aço zincado) foi devido à simplicidade construtiva, custo baixo e, sobretudo, leveza no transporte. O projeto chegou praticamente pronto ao local de instalação, bastando a aplicação dos acabamentos, também industrializados. O bar estava inicialmente previsto para funcionar em qualquer espaço aberto, público ou privado, proposto para estar inserido dentro de qualquer contexto.

O sistema construtivo:

O sistema construtivo chamado steel framing, que utiliza como estrutura perfis leves formados a frio de aço zincado ganha cada vez mais adeptos por oferecer inúmeras vantagens, dentre as quais a possibilidade de construção seca e a precisão dos materiais industrializados. Em projetos de caráter temporário, apresenta-se como excelente alternativa, pois além dos inúmeros benefícios, permite o reaproveitamento da estrutura, entre outros elementos construtivos. De acordo com os profissionais, a opção pelo material foi devido à simplicidade construtiva, custo baixo e, sobretudo, leveza no transporte. “O projeto chegou praticamente pronto ao local de instalação, bastando a aplicação dos acabamentos, também industrializados”, diz o arquiteto Bruno Campos. Com apenas uma entrada e três grandes aberturas, o espaço de 69 m2 foi todo montado com o uso de steel framing. Enquanto no lado externo o revestimento com telhas de aço inox polidas e a superfície irregular refletem o entorno de forma fragmentada, distorcendo ao mesmo tempo o volume. Na parte interna, o mesmo material foi aplicado na versão fosca. O balcão e a mesa também foram revestidos com aço inox. Após o término do evento, as estruturas foram removidas, transportadas com facilidade e guardadas. “Este mesmo projeto poderá ser implantado em momento oportuno em um parque, uma praça, um jardim, ou até mesmo num terraço de prédio. E o melhor, sem perder o seu impacto visual”.

 VIDEO: http://www.youtube.com/watch?v=2Jbl21ggEiQ

 

Rosso Restaurant, Ramat Ishay, Israel, 2007| SO Architecture

O restaurante Rosso está situado em Ramat Yishay, uma cidade no vale de Yezre-el na parte norte se Israel.   A paisagem imediata influenciou no design do espaço. As paredes das janelas foram pintadas com um tom de verde bem próximo ao que se vê na paisagem. Já as áreas internas, num tom de cinza suave. O teto, elemento mais imponente, foi feito com estrutura de aço, encapada com madeira e posteriormente pintada. A forma levou em consideração a topografia local.

O exemplo Alemão….

 

MO, mobilidade para o futuro trata-se de um sistema que capta a quantidade de quilômetros pelados e acumula pontos para serem trocados por tíquetes de metrô, ônibus. Ou seja, quanto mais você pedala, menos paga para usar o transporte. Esse sistema foi implantado na Alemanha afim de reduzir as emissões de poluentes e melhorar a qualidade de vida da população.

Segundo eles, na Alemanha 80% dos percursos tem menos de 20 quilômetros.

E para mais da metade dos percursos usa-se o carro.

 O que acarreta cada vez o acumulo de gases nocivos nas cidades. Provenientes do trânsito e do crescimento das cidades .

Na Alemanha 80% da população possui bicicleta, mas apenas usam 10% do tempo. Dessa população que usa bicicleta, 1/5 também usa o transporte publico, foi então que surgiu a idéia do mo, e do acúmulo de momiles. Sendo assim, quanto mais você usa sua bicicleta cadastrada menos você gasta com as passagens de transporte público.

Mo trata-se não só de dividir a bicicleta, mas também de carro e o transporte público.

Basta cadastrar seus pontos no cartão ou pelo aplicativo instalado no celular.

As bicicletas elétricas zeram a contagem a cada vez que alguém as devolve nos pontos de recarga, ou estações mais próximas ao destino do usuário.

O contador de distância pode ser instalado em qualquer bicicleta, não só nas disponíveis pelo sistema.

 

E o dinamarquês…

 Muitos ciclistas para uma cidade?

 Bicicletário em Copenhagen.               Foto de: Marco Cristofori/Alamy

Nessa cidade 36% dos habitantes pedalam até o trabalho ou escola. E espera-se que até 2015 essa porcentagem aumente para 50%.

De acordo com a federação de ciclistas de Copenhagen, um órgão oficial dinamarquês; a única forma da cidade ser acessível para turistas e novos moradores é criar um lugar mais perigoso e intimidante para os ciclistas.

Eu, brasileira, me pergunto: por que não criar uma Av. Paulista?

Av. Paulista – São Paulo, Brasil             Foto de: Fabiano Cerchiari/UOL

“Em Copenhaguen, nós temos problemas bastante extraordinários em torno de congestionamento de bicicleta”, disse Aneh Hajdu, da associação. “Eu não levo mais meus filhos em suas bicicletas em Copenhagen, na hora do rush. É muito perigoso e assustador. Eu não arrisco isso.” Hajdu continua afirmando que a grande dificuldade de um turista ou recém chegado de se acostumar com a grande movimentação nas ciclovias é a quantidade de ciclistas usando essa via. Com a surpresa eles ficam apreensivos e pedalam mais devagar, o que irrita os ciclistas mais antigos, tornando a via perigosa para esses novos usuários.

Então o que acontece quando a massa crítica de ciclistas cresce mais rápido do que o governo pode melhorar o seu ambiente urbano?

Certamente a construção de novas ciclovias!!! Mas será que os governos pensam assim?

 Frits Bredal, da Federação dos Ciclistas dinamarquês reconhece que o número de acidentes de trânsito graves, envolvendo os ciclistas em Copenhague reduziu drasticamente nos últimos anos e que o número de ciclistas mortos está em uma baixa histórica. Mas ele teme uma reviravolta nas estatísticas: “Na hora do rush, há um enorme número de ciclistas disputando espaço nas ciclovias de Copenhagen, que estão cada vez mais apertados e parados.”

“Enquanto os números crescem e lutam por espaço, os ciclistas estão cada vez mais agressivos e imprudentes no trânsito. Eu vejo cada vez mais as pessoas se colocando e colocando os outros em situações perigosas”, acrescenta. “Eles quebram as leis e usam suas bicicletas de maneira completamente irresponsável”.

Segundo Bredal, esse comportamento dos ciclistas esta dificultando a campanha de aumento das ciclovias e bicicletários uma vez que os políticos dizem que a população precisa ser mais educada para receber esse bem.

“O comportamento da população gerou uma reação adversa nos políticos, já que eles dizem, que é bastante justo, que antes de dar à cidade mais caminhos exclusivos para ciclistas, temos um trabalho para nós mesmos, para que esses se comportem”, diz ele.

“A Federação Dinamarquesa de Ciclistas” está tentando defender para mais e melhores ciclovias, dizendo que é perigoso pedalar com a atual situação das ciclovias”, acrescenta Mikael Colville-Andersen, o embaixador não oficial da Dinamarca para o ciclismo. “Mas ao dizer as pessoas que o ciclismo é perigoso, os políticos estão atirando no próprio pé. Eles precisam pensar que encorajar ciclismo urbano como sendo um produto, como qualquer outro vendável. Isso significa que você precisa enfatizar seus aspectos positivos.

“Devemos fazer o ciclismo urbano positivo, como fazemos com todos os outros produtos que queremos incentivar as pessoas a comprar”, diz ele, apontando para a investigação pela Federação Européia de Ciclistas. Este diz:

“Há uma série de exemplos de cidades, onde um aumento substancial no uso da bicicleta tem sido associado com a diminuição no número de acidentes com ciclistas. No impacto positivo, na saúde, o exercício físico é levado em conta, o ciclismo, em qualquer caso é benéfico ao usuário.”

FONTE: http://www.urbanism.org


DEZEEN

O site Dezeen representa duas grandes tendências do nosso dia-a-dia e tenta-se trazer aqui, usando cinco trabalhos retirados do site, estas situações.

A primeira é o fim da linha divisória entre arquitetura e design. Atualmente estes dois campos parecem se mesclar, como vemos, no SPA Atrapa Árbol (da Land Arquitetos), onde  o programa é articulado ao redor de uma árvore localizada em um jardim que cria, com a incidência da luz, uma textura nos pisos das salas; outro exemplo é o projeto de mobiliário Chidori (Kengu Kuma), que cria peças moduladas que podem ser conectadas de várias formas, gerando desde bancos até divisórias de ambientes.

A segunda tendência encontrada é o do próprio lay-out do site. É raro ver desenhos técnicos (notar que os únicos trazidos neste nosso apanhado são os do SPA Atrapa Árbol), sejam estes de peças de design ou de arquitetura, estes são suprimidos e repostos com um excesso de imagens. Outra ausência encontrada são a de textos explicativos sobre os assuntos; normalmente vê-se poucas linhas que comentam, superficialmente, sobre o partido e objetivo do trabalho tratado. Além disso, numa mistura entre edifícios e objetos, as chamadas para os posts na página inicial aparecem em profusão, mas são tantas que o olhar do internauta acaba perdido entre elas.

Vê-se aqui uma crítica: apesar da abordagem interessante e apanhado de trabalhos instigantes que o Dezeen faz, acaba-se perdendo todo o conteúdo destes dada esta super valorização das imagens.

site: http://www.dezeen.com
MOBILIÁRIO CHIDORI – KENGO KUMA E ASSOCIATES


Baseado em brinquedos janponeses infantis,  Kengo Kuma desenvolveu peças de madeira que podem formar diversos objetos. As peças são todas moduladas e de fácil manuseio, tornando acessível ao comprador de um kit montar praticamente o que desejar com elas. Os resultados variam desde pequenas estruturas, como mesas e bancos, até divisórias entre ambientes.

FIRMA CASA – IRMÃOS CAMPANA E SUPER LIMÃO


Novo lay-out da loja Coneito:FirmaCasa, reformulado com a adição de vasos presos às paredes portanto plantas (Espadas de São Jorge).

ROLLERCOASTER – INTERVAL ARCHITECTS


Projeto feito para o pátio de uma escola em Beijing com o intuito de promover um espaço de integração para os alunos, o resultado final acaba por desenvolver um conjunto inspirado em uma montanha russa. Através de estruturas metálicas que suportam brises feitos com ripas de madeira, os arquitetos criam espaços flexíveis que aparecem por vezes cobertos, vazados, com bancos ou simplesmente com muretas que dividem a área em pequenos segmentos.

RESTAURANTE PARA CGSH – ROBERTO MURGIA, FABIOLA MINAS E SIMONA OBERTI


Com a intenção de fazer o maior uso possível de luz natural dentro do ambiente, os arquitetos desenvolvem uma linguagem singular para o local. Feita através da utilização de  de muitas janelas com grandes aberturas, de mobiliário, louças, paredes e piso brancos em contraposição a um forro de feito de madeira, a luz externa domina o restaurante. Para acentuar ainda mais a sensação da cor branca, o escritório colocou brises nas janelas eitos com finas ripas de madeira coladas diretamente sobre vidro, causando um reflexo escuro no piso claro. Esta textura criada foi também usada para compor o forro, por cima do acabamento de madeira encontra-se frisos escuros.

SPA ATRAPA ÁRBOL – LAND ARQUITECTOS


Feito em Santiago, Chile, o SPA procura uma grande integração entre visitante e ambiente, que é ao mesmo interno e externo; os espaços arquitetônicos são articulados ao redor de um jardim central e são conectados através de grandes janelas. Outro fator de integração entre as partes é uma enorme árvore que fica neste jardim; dependendo da incidência de Sol sobre ela, projeta-se uma sombra que cria uma textura no piso das salas do SPA.

(Isabella Pacífico e Marina Mello)

JOSEFINE ROXY CLUB

Arquiteto brasileiro Fred Mafra teve a rara oportunidade de redesenhar seu trabalho anterior, o night club Josefine / Roxy.

Desde 2007, o clube tem sido um dos mais badalados da Savassi, a área de vida noturna de Belo Horizonte, a capital ea maior cidade do estado de MinasGerais.

O espaço tem 955m², duas pistas de dança, três bares, além de quatro áreas VIP, que podem ser combinados em um espaço maior VIP, além de duassalas e zonas de fumo com um teto retrátil. 
Atraves do design, Mafra cria um universo paralelo – às vezes futurista, outras nostálgico – configuradopor imagens, luzes e som propiciando uma viagem virtual aos freqüentadores da casa noturna Roxy.

No hall central, o bar de 12 metros de comprimento, revestido com aço espelhado, é emoldurado por cúpulas gigantes que mudam de cor e envolvem ospilares. Em outros ambientes, paredes revestidas com resina esverdeada se fundem com piso, teto e mobiliário, num desenho ondulado. Já no lounge dos banheiros a escolha foi por um único padrão, inspirado em papéis de parede da década de 1970, o que revela certa nostalgia.

“O mobiliário nasce da própria arquitetura e permite interagir com o cenário real”, comenta o autor.

ImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImage

RED BULL

 

Em 2010 foi inaugurado em Amsterdan a nova sede de contabilidade da empresa Red Bull, com 1000 metros quadrados o projeto foi todo desenvolvido – interiores, restauro e programação visual –   pelo escritório Sid Lee de arquitetura em Montreal.

 

A intervenção no edifício industrial de uma antiga fábrica de construção naval foi feita com materiais simples e cru, como aço, madeira, vidro e cimento. As formas que intervêm no interior da fábrica não são claramente definidas, aparentemente inacabado, tudo é uma questão de percepção, possuem um toque de cultura de rua.

 

O ambiente trás liberdade para serem desenvolvidas idéias inovadoras.

 

O amontoado de aço em forma de triângulo têm significados duplo, eles remetem a elementos do corpo de um navio e são uma reminiscência de rampas de esportes de ação. Acumulam-se espaço semi-aberta entre e em cima da estrutura, podem ser vistos como nicho quando visto de baixo, ou como pontes e mezaninos abrangendo todo o espaço quando visto de cima.

ImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImage

Design Boom

Chongquin Chaotianmen

O escritório internacional Safdie Architects anunciou seu novo projeto, o “Chongquin Chaotianmen”, um complexo de uso misto em Chongquin na China, localizado no encontro dos rios Yangtze e Jialing. O significado histórico foi o tradicional portão Chaotian onde os oficiais receberam os decretos imperiais dos imperadores. Para honrar seu uso atencipado, esse centro é dividido em oito torres com fachadas norte em formato de velas sobre a água, uma moderna representação da frota dos antigos navios chineses.

As duas torres centrais tem 358 metros, contendo serviços de residências, um hotel, residência privadas e espaços para escritórios que serão linkados por uma “ponte-jardim”.

Pela parte de dentro do complexo, há quatro versões de torres menores com 248 metros de altura. Juntos, eles formam um arco contínuo.

Ao longo da parte exterior, uma plataforma conectora liga as duas torres de escritórios com as duas residenciais.

A ponte que liga os blocos, contém um andar amplo onde localiza-se o lobby do hotel, restaurantes e clubes; e acima está o telhado com jardins e piscinas.

As duas estruturas menores que restaram são residenciais, dando ao projeto um total de 302000 metros quadrados de unidades habitacionais. Embaixo destes arranha-céus há cinco níveis de programas públicos, incluindo equipamentos culturais, um centro de conferência, teatro, varejos e sistemos de circulação e transporte terrestre e de água incluindo um píer para a balsa.

Continuar lendo