Archdaily – Lorena Haddad e Rafael Bessani

SUSTENTABILIDADE

O Que é?

•Sustentabilidade é um conceito relacionado com aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana
•Pode ser definida como a capacidade do ser humano interagir com o mundo preservando o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais das gerações futuras
•Abrange vários níveis de organização, desde a vizinhança local até o planeta inteiro

Cinema e Arquitetura: “Urbanized”

O documentário mostra o estado atual das nossas cidades, e o futuro que nos espera. O filme tenta introduzir a problemática do rápido crescimento demográfico e a concentração das populações nas grandes cidades, em oposição ao quase desaparecimento de outras cidades, mostrando exemplos ao redor do mundo, conversas com arquitetos e urbanistas, como Norman Foster, Rem Koolhaas, Oscar Niemeyer ou Alejando Aravena.

Ficha Técnica

•Título Original: Urbanized
•Ano: 2011
•Duração: 55 min.
•Fonte: Estados Unidos, Inglaterra
•Diretor: Gary Hustwit
•Diretor de Fotografia: Luke Geissbuhler
•Entrevistados: Rem Koolhaas, Alejandro Aravena, Norman Foster, Joshua David, OscarNiemeyer, Canto James.

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=6jpN8kI0-pY

Mobilidade Sustentável

O uso da bicicleta urbana

Com a referência de cidades como Amsterdã e Copenhague, a bicicleta se tornou um verdadeiro sonho para as metrópoles que desejam inscrever-se na chamada cultura da ‘mobilidade sustentável’.

“Cidades Inteligentes” e Interconectadas: eficientes em termos de energia e com cidadãos sensíveis em relação ao meio ambiente, tendo a bicicleta como meio de transporte privilegiado

Competitividade da Bicicleta

•Velocidade apropriada (10 a 15km/h) a pequenos deslocamentos ( +- 6km)
•Consome pouco sistema viário
•Enfrenta topografia irregular (porém a maioria das bicicletas tem marcha)
•Padrão de acidentalidade não comprometedor
•Oferece confiabilidade (aos horarios marcados e compromissos)
•Veículo individual (viagem de porta a porta)
•Acessível à grande maioria da população

Razões para o investimento em melhoramentos cicloviários

•Minimizar emissões de gases poluentes globais e locais
•Minimizar a disputa pelo recurso natural solo
•Minimizar o nível de ruído na cidade
•Minimizar as vibrações oriundas do tráfego
•Melhorar a mobilidade e a acessibilidade da população
•Aproveitar o padrão de competitividade da bicicleta
•Usá-la para alimentar o sistema estrutural de transporte coletivo

  Uma forma de promover o uso da bicicleta é multiplicando suas formas de estudo

•Deve ser pensada também em termos de acessibilidade, segurança, ambiente, familiaridade, medo, prazer, história, etc
• É o resultado de um processo muito mais complexo, que envolvem instituições e infraestruturas, aprendizagens coletivas e individuais, práticas e competências urbanas
•A bicicleta, como meio de transporte, passa principalmente por um compromisso político das autoridades por gerar as condições para sua prática.

Urbanismo: faça você mesmo

“se é necessário, e o governo não o faz, faça você mesmo”

•Movimento feito por grupos em cidades como Nova York, Chicago, Londres, Guadalajara, Vancouver, Sidney, Tóquio e México
•A maioria das intervenções busca dar espaço para a bicicleta, ao pedestre, dando um toque mais humano à cidade
•Responde à incapacidade de resposta por parte dos governos.

Resultado do Concurso Nacional de Arquitetura Passagens sob o Eixão / Brasília – DF
(2012)

•De suma importância para a cidade, essas novas passarelas devem ser implantadas em etapas e com graus diferentes de complexidade, determinadas pelas  diferentes demandas de público, incorporando e disciplinando o comércio e serviços, onde seja necessário.

O Primeiro Bosque Vertical

Ficha técnica
Arquitetos: Boeri Studio
Ano: 2008
Tipo de projeto: Habitacional
Operação projetual: Construção
Status: Em Construção
Características Especiais: Sustentável
Materialidade: Tijolo e Vidro
Estrutura: Concreto
Localização: Milão, Itália

As plantas crescem na fachada, assim como o fazem em um ambiente natural. Elas atuam de maneira similar como ocorreria em uma ‘fachada inteligente’, filtram a poeira do ar, absorvem o dióxido de carbono e liberam oxigênio ao exterior, enquanto dão sombra e um microclima que refresca os meses de verão.

As duas lidam com o conceito de recuperar a paisagem perdida pela cidade junto com melhorar a habitabilidade dos edifícios atuais.

Edifícios Ronda

Ficha técnica
Arquitetos: Estudio Lamela
Ano:
Tipo de projeto: Empresarial
Status: Construído
Materialidade: Metal e Vidro
Estrutura: Metal
Localização: Zaragoza, Espanha
Implantação no terreno: Isolado

Os projetos se destacam por seu compromisso com o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável. Buscou-se antes de tudo a maior reconversão e reciclagem possível.
As coberturas foram transformadas em espaços úteis e agradáveis ao usuário, de onde é possível ver o alto do rio e a parte da cidade que rodeia o conjunto.

 

A primeira casa de garrafas da África
Associação de Desenvolvimento de Energias Renováveis (DARE)

“grave escassez de habitações e ao mesmo tempo, uma grande quantidade de garrafas de plástico nas ruas”

Resistente aos terremotos, ao fogo e à balas, e mantem uma temperatura interior confortável de 18 graus Celsius durante todo o ano.
As garrafas foram colocadas estrategicamente e compactadas com uma combinação de barro e cimento, gerando uma nova estrutura que a DARE pretende usar em futuros projetos, por sua grande resistência.

 

  Centro de Estudos Lucie Aubrac

Ficha técnica
Arquitetos: Dietmar Feichtinger Architectes
Ano: 2012
Área construída: 7116 m²
Endereço: Allée de Bourgogne Nanterre França
Tipo de projeto: Educacional
Status: Construído
Materialidade: Madeira
Estrutura: Concreto
Localização: Allée de Bourgogne, Nanterre, França
Implantação no terreno: Isolado

As fachadas são feitas com ripas de pinho não tratadas. Através dos espaços vazios que são preenchidos com superfícies de vidro, a fachada tem um desenho vibrante.

O telhado verde ainda garante uma interessante unidade e contraste com o ambiente.

Generoso pátio coberto para os pais e filhos que dispõe de bicicletário, estimulando o uso da bicicleta.

“Beach and Howe ” Torre de uso misto / BIG

Ficha técnica
Arquitetos: BIG
Ano: 2012
Área construída: 60670 m²
Tipo de projeto: Uso Misto
Operação projetual: Projeto
Status: Concurso
Características Especiais: Sustentável
Estrutura: Concreto e Aço
Localização: Vancouver, Canadá
Implantação no terreno: Isolado

Em sua base, a projeção da torre é condicionada em relação a dois elementos significantes do entorno: um recuo de 30 metros da ponte Granville que assegura nenhum dos moradores terá janelas ou varandas em meio ao tráfego pesado e ainda uma preocupação com a luz solar

A base da torre é um complexo urbano de uso misto com três blocos triangulares que são compostos por espaços especificamente dimensionados para trabalho, comércio e lazer, que se voltam para praças e passeios públicos.

As aglomerações triangulares inclinadas tem coberturas verdes e as fachadas externas respondem às diversas exposições solares o que faz parte de todo o conceito de sustentabilidade.