Arquitetando a Interação Social | Landscape Architecture Magazine

Fabiana Curi e Fernanda Giansante

A Revista – LAM

A partir da de três edições (volumes 105 – N12 dezembro de 2015; 106 – N2 fevereiro de 2016; 106 – N1 janeiro de 2016) da revista Landscape Architecture Magazine (Lam) – publicação americana que aborda reportagens diversificadas com destaque para arquitetura paisagística –, percebemos que a maneira como se pode atribuir valor aos ambientes públicos e coletivos através da forma que é feita sua interação – de acordo com o que é instalado no espaço útil, seja um mobiliário urbano ou uma escultura, para que os mesmos passem novas experiências – é um tema bastante abordado.

Para analisar o assunto, os projetos escolhidos são: Soundwave, Square Dance e Superkilen.

 

SOUNDWAVE | Xiangyang, China

Composta por 500 aletas de aço de diferentes alturas, Soundwave é uma instalação que homenageia a subida e descida das barras de um visualizador de som digital. Feita por Penda Architects, a ideia principal do projeto é mostrar a relação existente entre música, arte, natureza e arquitetura. Pensando nisso, o projeto ultrapassou o conhecimento sobre paisagem e foi além, criando um espaço interativo entre a cidade e o Myrtle Tree Garden.

 

 asfca

 

A inspiração surgiu da citação “A música é a arquitetura líquida; arquitetura é música congelada”, e o mecanismo da instalação funciona através da imaginação. Ou seja, oferece a possibilidade de o visitante escapar dos transtornos diários da cidade e entrar em um mundo de experiência sensorial – basta apostar na criatividade e se deixar levar e sentir pelo contexto.

Além disso, os movimentos de luzes e cores das aletas criam uma espécie de transição e interação entre a cidade e a paisagem, caracterizando o local pela grandeza e particularidade de remeter a uma skyline – panorama geral do horizonte de uma cidade, onde a superfície da terra e o céu se encontram.

 

ds

“Música, ritmo e dança em combinação com a paisagem circundante foram os principais parâmetros para moldar o Soundwave” – Chris Precht & Dayong Sun.

 

Em relação aos materiais das aletas, são painéis perfurados de aço inox (em tons de roxo). Eles são coloridos através da passivação eletrolítica, processo necessário quando é feito tratamento mecânico ou soldagem em peças de aço inoxidável para manter as principais características do material intactas e resistentes à corrosão.

 

fsdfs

 

Durante o dia, o reflexo do sol atinge as aletas, refletindo em seu entorno e deixando a aparência da escultura versátil. Ou seja, os painéis ficam propensos a mudar de acordo com a posição solar. Outro ponto interessante é o fato das aletas estarem localizadas em quatro lagoas diferentes, produzindo o reflexo do metal cintilante na água e proporcionando um lindo jogo de luz. Já durante a noite, a escultura tem uma transformação de imagem constante que reage diretamente aos movimentos dos visitantes da praça.

 

 

Feita com cuidado e projetada nos mínimos detalhes, a escultura é circundada de colinas e vales, e suas cores vibrantes criam uma referência visual para a área. Sobre os tons de roxo, é importante citar que foram escolhidos de forma que remetessem ao tom das árvores do Jardim Myrtle. E a partir desta referência, a ideia é transmitir aos visitantes a sensação de estar em um bosque, cercados pelos troncos das árvores.

 

 

 

corteA

CORTE AA

corteB

CORTE BB

PLANTA

PLANTA

 

Quanto maior o número de pessoas circulando no local, mais vida, movimento, brilho e iluminação. A natureza tem suas próprias características e som, mas em Soundwave esses conceitos e detalhes são potencializado através das vibrações e luzes, ativadas no momento em que os indivíduos exploram o ambiente. O projeto pode parecer complexo e até mesmo equivocado, mas faz sentido quando se entende que paisagem não é apenas árvores, arbustos e plantações. Paisagem é tudo aquilo que a mente é capaz de imaginar, sem limites. Portanto, passa a ser um ambiente diferenciado pelo fato de não ser apenas um espaço construído, mas um espaço que oferece diferentes sensações, experiências e imaginações.

 

Fonte:

http://landarchs.com/the-nature-of-the-soundwave-brought-out-in-a-landscape/

http://www.dezeen.com/2015/03/27/penda-purple-pillars-motion-activated-light-sound-soundwave-installation-park-xiangyang-city-china/

 

 

FICHA TÉCNICA

Arquiteto: Penda

Localização: Xiangyang, Hubei, China

Área: 5000.0 metros quadrados

Ano: 2015

Fotografias: Xia Zhi

Equipe de Design: Dayong Sun, Chris Precht, Fei Tang Precht, Yongjian Huang, Zhonghua Tang, Chunlei Zhu, Junfeng Li, Runxin Tang

 

SUNDANCE SQUARE | Fort Worth, Texas

Square Dance é considerado um dos mais conceituados distritos comercial, residencial e de entretenimento de Fort Worth. Repleto de opções de hotéis, condomínios, museus, clubes, cinemas, lojas, restaurantes, casas noturnas e galerias de arte, o local se transformou na grande “sala de estar” da cidade.

Localizado no Texas, numa área em que se encontrava um estacionamento de aproximadamente 800 m2, o espaço se tornou público e amplo para sediar eventos culturais e outras diversas atividades da cidade.

A concepção da praça foi definida 1981 e é um lugar onde passado e futuro se cruzam, já que a arquitetura moderna de David Schwarz está alinhada com sua característica estética antiga, o art-deco.

 

 

A instalação tem capacidade para 498 pessoas, e sua distribuição funciona da seguinte maneira: 279 cadeiras, 79 mesas estilo café, 24 bancos, 392 pés lineares de seatwalls e 1 palco. Além disso, possui um adicional de 214 cadeiras ao ar livre e 82 mesas nos cafés, restaurantes e bares com fachadas na praça.

 

 

 

Outro fator importante é que a praça conta um bosque permeável com arvores nativas que possuem bases estruturais com drenos de escoamento – importantes para função de drenar água das chuvas. E mais: 4 guarda-chuvas estruturais fornecem áreas de sombreamento.

Além da beleza, também proporcionada pelas lâmpadas de LED instaladas no local e que fazem com que a praça fique colorida e ofereça um espetáculo de luzes para quem passa, o espaço é confortável e funcional durante todas as estações do ano.

 

4

 

É uma ótima referência de reabilitação de um espaço público que se tornou extremamente eficiente para a vida cotidiana. O que antes era um espaço sem relevância e mal projetado, hoje foi requalificado e se transformou em um ponto acolhedor, convidativo e repleto de interação.

 

Fonte: http://landscapeperformance.org/case-study-briefs/sundance-square-plaza

FICHA TÉCNICA

 

Localização: Sundance Square Plaza – Fort Worth, Texas, Estados Unidos

Ano: 2013

Área: 555m2

Projeto: Designer Michael Vergason Landscape Architects

 

SUPERKILEN | Copenhagen, Dinamarca

Superkilen é um parque multidisciplinar localizado na capital Dinamarquesa. Suas características refletem a fusão da arquitetura com paisagens e artes criativas. Localizado no bairro com maior diversidade étnica e social da Dinamarca, o local tem como objetivo ser um ponto de referência da cidade e servir de elemento unificador para os diferentes povos da região.

Pode ser considerado uma exposição permanente de móveis e objetos do mundo todo, como postes, bancos, iluminação e plantas.
1

 

A divisão do parque é feita em 3 zonas de cores diferentes – verde, preto e vermelho – que se integram e formam ambientes dinâmicos em um só conjunto excepcional. Além disso, conta com pequenas ilhas de diversos tipos de vegetações, que conferem ainda mais vida e natureza ao local.

 

 

Praça ou Zona Vermelha. Essa área é caracterizada por elementos contemporâneos e urbano, com instalações culturais e desportivas. São elas: áreas fitness, parque infantil, abundância de bancos, carrinhos de bicicletas, estacionamento, entre outros.

 

 

 

Mimers Plads – Zona ou Mercado preto. É o coração do Superkilen. Com conceito mais clássico, o local conta com bancos e chafariz para promover o encontro das pessoas. Em dias de semana, as instalações servem como uma sala de estar urbana para jogadores de gamão, xadrez e outros jogos.

 

 

Green Park ou Zona Verde. Essa área foi criada com a intenção de proporcionar paz e lazer. As atividades possíveis vão desde passeios com animais de estimação até pic-nics com a família e amigos.

 

 

 

 

O espaço coletivo é uma mistura do ambiente social com a sofisticação da arquitetura. E, além de agradável, integra a população e traz harmonia para a cidade.

Fonte: http://www.archdaily.com/286223/superkilen-topotek-1-big-architects-superflexFICHA

 

FICHA TÉCNICA

Arquiteto: BIG Architects, Topotek 1, Superflex

Localização: Copenhagen, Dinamarca

Ano: 2012

 

CONCLUSÃO GERAL

Ao analisar o tema, conclui-se que espaços públicos e coletivos são importantes para a sociedade. Mas mais importante ainda é, antes de suas construções, entender e estudar a cidade, a área em questão e as pessoas que podem vir a visitar o local. A partir disso, fica cada vez mais fácil entregar uma instalação rica em valores e com maior identificação com os grupos sociais que a produz, habita ou usufrui. Esses três fatores ajudam a criar um espaço interativo e ativado por um público envolvido, que preza pela circulação entre os espaços e suas experiências possíveis.

A formação destas intervenções mostra-se de grande importância dentro do contexto urbano porque, além de patrimônio histórico e cultural, oferece possibilidades para o desenvolvimento de projetos nas cidades contemporâneas. E, além de possibilitar inúmeros benefícios comerciais e até de paisagens, proporciona o principal: o encontro e interação de pessoas que vivem em um mesmo lugar.

 

                                 FABIANA CURI E FERNANDA GIANSANTE

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s