Geração verde | L’Architecture d’Aujourd’hui

Com base na análise das últimas edições da revista francesa L’Architecture d’Aujourd’hui (fundada em 1930 e conhecida como A’A), percebeu-se uma vasta abordagem do “verde” inserido de diversas maneiras na arquitetura mundial. Nessa publicação, serão analisados projetos nos quais a natureza esta em contato com a arquitetura.

BIESBOSCH MUSEUM | Werkendam, Holanda

Retirado da edição Março de 2016 da AA, este museu foi ampliado recentemente após uma obra de 8 meses comandada pelo Studio Marco Vermeulen, ganhando uma nova ala que abriga uma galeria para exposições temporárias e restaurante.

studio-marco-vermeulen-biesbosch-museumeiland-freshwater-tidal-park-the-netherlands-designboom-02

A região onde o museu esta implantando foi reconstruída para transformar o terreno em uma ilha artificial. O projeto original consistia em blocos hexagonais, os quais foram mantidos, anexando um novo espaço com arquitetura contemporânea contrastante, e cobertura verde em todo o complexo, composta de grama e ervas (este telhado foi projetado para adicionar valor ecológico à edificação e obter caráter escultural para a paisagem da região, além de auxiliar no equilíbrio térmico e minimizar o consumo de energia). Os vidros da edificação são resistentes ao calor, o que elimina a necessidade de brises. Todo o esgoto do museu passa por um processo de purificação através de um filtro da própria vegetação e é desaguado na zona úmida ao redor do terreno.

g9g10

g11

O projeto teve uma grande preocupação com a questão sustentável.  Foi minusciosamente pensado em todos os aspectos para que o impacto ambiental fosse mínimo, apesar de uma grande intervenção no meio natural, com a retirada de terra para a criação de uma ilha. Os arquitetos fizeram com que a edificação marcasse tanto visualmente quanto conceitualmente.

g18g15

FICHA TÉCNICA

Projeto anexo: Studio Marco Vermeulen
Área: 1300m2
Custo: €3.000.000,00
Tempo de obra: 8 meses
Conclusão: Junho 2015

BOSCO VERTICALE | Milão, Itália

O Bosco Verticale (Bosque Vertical) é o primeiro exemplo de “floresta vertical” no mundo. Foi inaugurado em Outubro de 2014, em Milão, na área de Porta Nuova Isola, como parte de um projeto de renovação da área. O projeto consiste em duas torres de 80 e 112 metros, 480 árvores grandes e médias, 300 árvores pequenas, 11.000 plantas perenes e 5.000 arbustos. O equivalente – sobre uma superfície urbana de 1.500 m2 – a 20.000 m2 de floresta e vegetação rasteira.

151117_EYE_BoscoVerticaleFlickr1.jpg.CROP.original-original

O projeto tem um conceito arquitetônico que substitui materiais tradicionais em superfícies urbanas utilizando a policromia das folhas para suas paredes. O arquiteto biólogo baseia-se em uma tela de vegetação, criando um microclima e proteção solar.

É um edifício residencial sustentável, um projeto de reflorestamento metropolitano que contribui para a renovação do ambiente e da biodiversidade urbana. É um modelo de adensamento vertical da natureza dentro da cidade, que opera em relação às políticas de reflorestamento. As torres com suas vegetações produzem umidade, absorvem partículas de CO2, poeira, e produzem oxigênio.
Bosco-Verticale_Pdf-Environmental-diagram_cBoeri-Studio-1024x724
É um grande avanço na arquitetura e principalmente um grande passo para a conscientização das pessoas em relação aos danos que os seres humanos causam na natureza. A preocupação com o reflorestamento mostra que os arquitetos contemporâneos estão tentando mudar a mentalidade das pessoas. Mesmo que utopicamente, de pouco em pouco a humanidade tende a progredir neste aspecto.

FICHA TÉCNICA

Projeto: Stefano Boeri
Área: Aproximadamente 50000m2 cada torre
Valor dos apartamentos: €1.500.000,00 a €4.700.000,00
Conclusão: Outubro 2014

FARMING KINDERGARTEN | Biên Hòa, Dong Nai, Vietnam

Mais um artigo presente na edição de Março de 2016 da AA, este projeto relata a relação da cidade contemporânea com a arquitetura. As condições precárias da cidade vietnamita (secas, inundações, congestionamento diário aumentando a poluição e etc.) consequências da rápida urbanização, serviram de premissa para o desenvolvimento de um projeto que proporcionasse um local mais saudável, e com maior relação com a natureza para as crianças.

Farming-Kindergarten-by-Vo-Trong-Nghia-Architects-00

Localizado ao lado de uma grande fábrica de calçados, e projetado para 500 filhos de trabalhadores da fábrica, o edifício é concebido como um telhado verde contínuo, proporcionando alimentação e agricultura em uma horta local para as crianças, além de um amplo campo verde a ceu aberto, criados para que as crianças aprendem a importância da agricultura e recuperem uma conexão com a natureza .
O telhado verde é em forma de um anel triplo, circundando três pátios interiores, formando playgrounds seguros.

O edifício possui janelas que aumentam a ventilação cruzada e a iluminação natural. Além disso, há vários artifícios arquitetônicos para economizar energia como por exemplo: telhado verde como isolamento e fachada verde como sombreamento e aquecimento solar de água. São projetados de forma visível e desempenham um papel importante na educação sustentável das crianças.

Mais uma vez, percebeu-se a preocupação com o meio ambiente, mas mais que isso com as crianças da cidade. A construção deste projeto, ajudará uma nova geração a crescer mais conscientizada em relação a natureza e também mais saudável. Nesta construção, a situação da cidade contemporânea foi  indispesável para que todos fatores acima citados fossem pensados cuidadosamente.

FICHA TÉCNICA

Projeto: Vo Trong Nghia Architects
Área: 3.800 m2
Ano do projeto: 2013

OUTROS EXEMPLOS

MUSEU QUAI BRANLY | PARIS, FRANÇA

18-3-201015-41-14562

CASA BETANIA | RIO DE JANEIRO, BRASIL

cv346_editorial_rodrigo_quadrado_2_1cv346_editorial_rodrigo_quadrado_4cv346_editorial_rodrigo_quadrado_16

PAREDE VERDE | LONDRES, INGLATERRA

weybridgelondon2

vincent-van-gogh-campo-de-trigo-verde-com-ciprestes-c-1889

Ao analisar este tema, percebemos que já há uma maior conscientização das pessoas ao redor do mundo. No entanto, é o suficiente? Acreditamos ser apenas um pequeno passo diante de um caminho enorme a ser percorrido. E nós, como futuros arquitetos urbanistas, temos a missão de transmitir a importância destes conceitos para a sociedade. Independente da forma, sendo uma preocupação com a natureza existente, a inserção de artifícios para proteje-la ou a criação de novos métodos para complementá-la, qualquer ação é valida.

CAMILA FISCHMANN E FELIPE SAURIN

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s