Descartes Construtivos

Apesar de sermos constantemente lembrados por diversas organizações mundiais de que nosso sistema de exploração atual é incompatível com a capacidade do nosso planeta de gerir e repor tais recursos. A conversa e o questionamento sobre nossos padrões de consumo ou também sobre como nos relacionamos com nossos resíduos, ainda é uma preocupação de uma parcela pequena da nossa população.

Myriam Glatt em “Descartes”, que nos traz em forma de arte um importante lembrete da nossa desatenção em relação a nossos recursos. A exposição composta majoritariamente por esculturas que muito se assemelham à montagens, a motivação da artista em utilizar papelão na maioria de suas composições, é oriunda do encontro excessivo do material espalhado pelo meio urbano

              Fonte imagens: fotos autorais tiradas na exposição

Contudo, encontrar novos usos para esse material tanto usado e pouco reciclado, é uma preocupação que tange o japonês Shigeru Ban, vencedor do premio pritzker de 2014, conquistando-o, sobretudo pela sua pesquisa e realização de trabalhos que adotassem materiais simples como componentes de suas obras e até mesmo de seus sistemas estruturais. Vale lembrar a importância da iniciativa do arquiteto tendo em vista que o ramo da construção civil é sozinha responsável pelo consumo de mais de 50% dos recursos mundiais, além de ser também a maior responsável pela produção de resíduos sólidos.

Desde 1989, o arquiteto têm empregado em escalas diferentes de obras o tubo de papelão como sistema estrutural de seus projetos. O resultado desse partido são construções mais econômicas e executadas mais rapidamente quando comparamos aos sistemas convencionais.

Um forte exemplo disso, é a igreja de papel montada em 1995, em Kobe, no Japão após um terremoto destruir boa parte das estruturas da cidade. Composta por 58 pilares de tubo de papelão disposto em uma forma elíptica e contem seus exterior envidraçado para criar um espaço contínuo entre os ambientes internos e seu entorno. Com a ajuda de 160 voluntários, em apenas 6 semanas a capela já estava pronta para uso e se manteve intacta até 2005, quando foi desmontada de kobe e reerguida no Taiwan.

paper1paper2

Fonte imagens: site do arquiteto

Mais recentemente em 2016, o escritório holandês Fiction Factory divulgou a Wikkelhouse, uma estrutura composta por módulos que pode receber os mais diversos usos além de ter a facilidade de ser montada em apenas um dia. Sua estrutura é composta por 24 camadas de papelão unidas por uma cola sustentável e revestida por uma camada de alumínio e madeira que garantem a proteção contra fenômenos meteorológicos. A combinação resulta em uma estrutura que tem previsão de resistir pelo menos 100 anos além de ter a possibilidade de mover a estrutura para uma nova localização. Além disso, o escritório garante que a casa pode ser 100% reciclada.

wilke3wilke1

Fonte imagens: site do arquiteto

Cada módulo tem 5 m² e pode ser combinado de acordo com a necessidade do usuário. O preço para 3 módulos (compondo 15m²) é de 25 mil euros, se aproximando a um valor de 8 mil reais o metro quadrado, tal valor se assemelha ao preço de venda encontrado por um imóvel novo em grandes cidades como São Paulo, provando mais uma vez que uma construção sustentável não é sinônimo de gastos extras.

wilke2

Fonte imagem: site do arquiteto

wilke4.jpg

Fonte imagem: Archdaily Brasil – Yvonne Witte

Com um simples passeio na internet, conseguimos buscar e ver que não é apenas do papelão que pode ser reaproveitado na construção civil, como por exemplo o uso de garrafas pet junto com taipa de pilão na construção de habitações. E que as soluções podem ser mais baratas do que aquelas que empregam o sistema construtivo tradicional de concreto e aço. As possibilidades são inifinitas para o que podemos fazer com o que consideramos lixo, mas sabemos que as pesquisas pouco serão incentivadas enquanto for prejudicial à indústria do consumo desenfreado. Por isso, cada dia mais, trabalhos que relembrem e nos convidem a reflexão como o de Myriam Glatt se tornam essenciais.

Isadora Saad e Paula Becker

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s